Miss Chatice
30 jul 2017

50 tons de cinza, 50 tons mais escuros e 50 tons de polêmica.

50 tons de cinza e polêmica…
Me arrisco a dizer que é um dos filmes mais falados, polêmico, comentado e julgado dos últimos anos.

Definitivamente não é um filme que saio dizendo que assisti, posto no Facebook e muito menos comento por aí, pensei varias vezes antes de escrever esse post, mas achei que no final das contas, não seria nada demais. (eu tenho muito medo de julgamentos e assuntos “tabus”, me sinto sempre procurando uma provação, mas querendo fazer as coisas da minha maneira, me desafiando, então postei e pronto)

tumblr_orqhuaMUMd1th3s35o1_500

É um filme romântico. Ponto.
Não é nenhum Romeu e Julieta, nunca li aos livros, assisti o primeiro filme por mera curiosidade e confesso que com um pouco de receio e ser… bem… de possuir cenas fortes! De ser um pornozão, pronto.
É um filme de romance, um “romance vanilla”, água com açúcar e até intrigante. Um filme feito para qualquer um se identificar com algum ponto e vou ser honesta, me identifiquei MUITO com a Anastasia e creio esse ser o grande sucesso do filme.
Agora calma, hahaha, me identifiquei com a garota cheia de metas, boba, difícil de lidar, que tem suas manias e até com seu estilo na hora de se vestir, acho que isso me prendeu e intrigou no enredo.
Mas voltando… Assisti ao primeiro filme e fiquei curiosa para ver o segundo, saber como seria o desenvolver da historia… No primeiro filme Anastasia engata um romance com Grey, um cara que ela jamais pensou conquistar, na verdade ele não gostava dela, quando ela resolve ir embora por querer algo mais ele corre atrás dela e o filme acaba ai.
Claro que imaginei que no segundo filme seria um estalar de dedos e pronto, Anastasia voltaria com o Grey… Mas sei lá, fiquei curiosa. O filme nem é tão ruim, juro!
Adorei os figurinos da Anastasia, o suspense nesse segundo filme ao redor da Elena, trama essa que achei que seria melhor explorada… Alias, ta ai um ponto fraquíssimo no filme (ou o que achei ser fraco, mas na realidade me prendeu): trama corrida.
Temos todo um suspense ao redor da Elena, a dominadora do Grey, aparentemente seu ponto fraco e a ex dominada do Grey que começa a perseguir Anastasia… Tudo isso passa em um piscar de olhos. É feito tanto drama ao redor de Leila (ex do Grey) para o “problema” simplesmente ser resolvido da maneira como foi. Confesso que isso e a forma como Elena saiu de cena me fez irritada com o tanto de vazio que deixou e aparentemente foram esquecidos.
O que talvez me deixe curiosa para o próximo filme é a forma como acabou e a curiosidade que o ex chefe da Anastasia deixou (que eu quase digo qual foi, mas lembrei que seria um spoiler descarado, então achei melhor escrever dessa forma sem nexo mesmo).

tumblr_omxcykC9SW1txpkqvo1_400

Assistiria ao próximo filme? Provavelmente sim, ainda mais quando quiser ver um filme que não requer 100% de minha atenção, quando estiver cansada demais ou quase pegando no sono.

Observação: Claro que achei as cenas, aquelas cenas, desnecessárias, mas gente… Eu assisto Game of Thrones!

Comentários:
0

27 jul 2017

La jalousie ( O ciúme )

Oie oie!
Tudo bem?

Eu estava com muitas saudades de assistir um filme que tivesse em seu elenco Louis Garrel, meu ator preferido e havia muito tempo que não assistia nenhum filme sozinha, nenhum filme de Mariáh… Há um tempo também estava curiosa para assistir La jalousie ou simplesmente “O ciúme”, seu titulo em português.

la_jalousie_xlg

Antes de mais nada, sim eu tenho um gosto bem peculiar para filmes, meus filmes preferidos são pouco conhecidos e gosto de procurar filmes que explorem bem os sentimentos…

La Jalousie é um filme de Philippe Garrel e conta com seu filho, Louis Garrel, como o personagem principal, Louis.

A trama começa com Louis terminando seu relacionamento com sua mulher e a filha do casal observando tudo, em silencio, pela fechadura da porta de seu quarto. Sua mulher esta claramente desesperada, não quer que ele se vá e pede para ir junto, recebendo um não.

Em seguida começamos a acompanhar a vida de Louis com Claudia, descobrimos que Louis é ato, vive por seus sonhos e atualmente trabalha em uma peça teatral. Claudia é uma atriz desempregada.
Claudia é louca por Louis e o mesmo se mostra distante, mas com o passar da trama a situação começa a se inverter, observamos uma Claudia sufocada e Louis louco por Claudia, até chegar a extremos, no final do filme.

O filme nos mostra varias faces do ciúme. No começo observamos o ciúme de Clothilde por Louis, depois o ciúme de Clothilde pela filha e sua relação com Claudia, temos também Claudia por Louis e pelo trabalho de Louis, a filha de Louis por Louis e por fim de Louis por Claudia.

La Jalousie é um filme em preto branco, focado em relações humanas, focado no sofrimento e talvez a ausência de cor nos faça focar ainda mais nas questões principais do filme, que é o sentimento de solidão e angustia.

Apesar do tema “sofrido” eu fiquei positivamente chocada com a leveza como é retratada as agonias do abandono, da sensação de ser esquecido e das dificuldades da vida a dois, a três… Cada situação no filme é, ao mesmo tempo, elíptica em sua apresentação factual e muito estendida em suas consequências dramáticas.

Não sei se seria exatamente um filme que eu indicaria quando me pedissem uma sugestão de filme, acho que depende muito da pessoa, mas é um filme que gosto muito… O tipo de filme que assisto quando chego em casa cansada, estou sozinha e quero relaxar, ter um tempo meu.

Comentários:
0

26 jul 2017

Avise o mundo sobre meu retorno.

Oie oie!
Tudo bem?

A vida aqui anda tomando alguns rumos diferentes, mas minha paixão por escrever e falar coisas “sem importância” continuam gritando aqui dentro, talvez mais do nunca.
Consegui recuperar o acesso ao meu blog antigo, esta todo sem formatação, mas acendeu dentro de mim uma luz e força muito bonitos, juro! Gostoso de sentir, sabe?

Para “comemorar” vou deixar um dos meus textos aqui, esse é do dia 29 de Agosto de 2008.

OBS: Meus textos sempre foram fictícios e não necessariamente de algo que acontecia, sempre amei escrever contos, então ponto.
OBS²: Talvez um dia eu o deixe publico, por hora, não sei.

 

Comentários:
0

14 abr 2017

Campinas Anime Fest 2017

Oie oie, tudo bem?

Esse final de semana, dia 09 de abril, aconteceu em Campinas – SP o evento “Campinas Anime Fest”.

16o CAFO evento é realizado no Colégio Liceu (aquele onde foi gravado o seriado Sandy & Junior, olha as minhas lembranças do lugar! hahaha).
Eu considero o Campinas Anime Fest, também conhecido como CAF, um dos melhores eventos do gênero… É feito em um espaço seguro, com ótimos lugares para tirar fotos, o preço é acessível, o local é de fácil acesso, possui muitos lugares próximo para estacionar o carro, é em um bairro seguro e movimentado, caso chova, temos espaço fechado e não o tempo não prejudicará o evento, além disso tudo, a proposta apresentada pelo CAF atraí um publico bem família, o tornando assim, um dos melhores eventos da região de Campinas, em minha opinião.

Minha experiência como cosplayer no evento:

Não cheguei a participar do desfile, nada assim… Apenas fui com meu cosplay!
Os cosplayers não tinham nenhum camarim ou espaço especifico, porem não era necessário, os banheiros eram grandes e estavam bem limpinhos, tanto no começo do evento quanto no final.

⇨ Confira algumas fotos do evento na galeria de imagens abaixo:
PS:  Crédito das fotos, nas fotos.

Para melhor visualização: clique para ampliar! Clique com o botão direito do mouse sobre a foto e depois clique em ‘abrir em nova abra’.

Curtam a fã page clicando AQUI!

Beijos e até mais ♡

“A arte é uma flor nascida no caminho da nossa vida, e que se desenvolve para suaviza-la”

– Arthur Schopenhauer

Comentários:
0

03 mar 2017

Pokémon – The origin

Oie oie, tudo bem?

Hoje eu vim indicar uma minissérie que é puro amorzinho: Pokémon – The origin.

Pokémon – The origin é uma mini web serie que conta a historia do Red, um garoto que recebe como missão do Professor Carvalho, ajuda-lo a completar sua pokedex. Ele recebe um pokémon e pokebolas para começar sua missão…
Red aprende a ser um treinador, respeitar os pokémons e claro, passa por algumas aventuras!

origin

A série é um exemplo de como Pokémon não é apenas Ash, Brock e Misty, existe todo um universo a ser explorado e sem perder a graça e a hype.

Ela é bem rapidinha, são 08 episódios com 20 minutos cada, o que da um total de 80 minutos (mais ou menos) pra você ver tudo e pode ser assistido no YouTube.
Uma das coisas que mais gostei, é como os episódios são completos, apesar de serem curtinhos.

Aaah, uma informação importante, a historia é totalmente ligada e tem continuação entre um episódio e outro, não é um “simples” desenho animado, então é importante assistir seguindo a ordem.

Os links que vou deixar aqui para vocês estão legendados em português e cada episódio esta dividido em duas partes, por isso são 08 vídeos, ok?!

Vou deixar uma lista com os links abaixo e os vídeos direto, se assistirem, contem pra mim o que acharam.
Eu amei e quero fazer um agradecimento a pessoinha especial da minha vida que ta me deixando completamente viciada em poke de novo <3

Beijos :*

Pokémon – The origin EP 1 parte 1/2
Pokémon – The origin EP 1 parte 2/2
Pokémon – The origin EP 2 parte 1/2
Pokémon – The origin EP 2 parte 2/2
Pokémon – The origin EP 3 parte 1/2
Pokémon – The origin EP 3 parte 2/2
Pokémon – The origin EP 4 parte 1/2
Pokémon – The origin EP 4 parte 2/2

Links:

Comentários:
0

28 fev 2017

Vencedores do Oscar 2017.

Oie oie, tudo bom?

Post rápido e de ultima hora pra deixar registrado os vencedores do Oscar 2017 e alguns comentários meus sobre a cerimônia.

↬ Melhor ator coadjuvante:
Mahershala Ali (Moonlight)

↬ Melhor maquiagem:
Esquadrão Suicida

↬ Melhor figurino:
Animais Fantásticos e Onde Habitam

↬ Melhor documentário
O.J: Made in America

↬ Melhor edição de som:
A chegada

↬ Melhor mixagem:
Até o ultimo homem

↬ Melhor atriz coadjuvante:
Viola Davis (Um limite entre nós)

↬ Melhor filme estrangeiro:
O apartamento

↬ Melhor curta-metragem de animação:
Piper

↬ Melhor animação:
Zootopia

↬ Melhor design de produção:
La La Land – Cantando estações

↬ Melhores efeitos especiais:
Mogli – o menino lobo

↬ Melhor montagem:
Até o ultimo homem

↬ Melhor curta-metragem de documentario:
Os capacetes brancos

↬ Melhor curta-metragem:
Sing

↬ Melhor fotografia:
La La Land – Cantando estações

↬ Melhor canção original:
City of Starts – La La Land

↬ Melhor roteiro original:
Manchester a beira mar

↬ Melhor roteiro adaptado:
Moonlight

↬ Melhor diretor:
Damien Chazelle (La La Land)

↬ Melhor ator:
Casey Affleck (Manchester a beira mar)

↬ Melhor atriz:
Emma Stone (La La Land)

↬ Melhor filme:
Moonlight

Agora, sobre o super mega babado eu acho que todos já estão sabendo, né?
Aquele lá lá mesmo, em que quando foram anunciar o premio de melhor filme, anunciaram errado… O pessoal de La La Land todo feliz, fazendo discurso e eu já nem estava mais prestando atenção na televisão, de repente olho e vejo a seguinte cena: um homem no microfone pedindo desculpas, dizendo era uma situação inédita no Oscar. Logo pensei que iríamos ter um segundo lugar ou ate mesmo empate… Foi quando disseram: “O vencedor de melhor filme é Moonlight”.
O apresentador do premio tomou o microfone se desculpando, dizendo que foi um erro, que no envelope que lhe entregaram estava escrito Emma Stone – La La Land.
A reação da plateia foi divertida, parece que eles (a plateia) acabou até se divertindo com a confusão e arrisco dizer que teve alguns que parecem ter gostado mais de Moonlight ter vencido a premiação.

Como a internet não perdoa, separei aqui alguns memes que 5 minutos após o ocorrido já encontrei:

Teve até gente que não morreu recebendo homenagem:
Minhas opiniões sobre alguns prêmios:
–  La La Land não ganhar o premio de melhor filme: Prefiro Moonlight.
– Prêmio de melhor maquiagem ter ido para Esquadrão Suicida: Não. Apenas.
– Dr. Estranho ter perdido o prêmio de melhor efeitos especiais: Eu não assisti Mogli, nunca gostei muito, quando era pequena não assistia ao desenho… Mas os efeitos de Dr. Estranho estavam DEMAIS, eu realmente achei que eles iram ganhar!
O que vocês acharam da cerimônia? Qual era o seu filme predileto?
Beijos :*

Comentários:
0

27 fev 2017

Santa Clarita Diet

Oie oie pessoal, tudo bem?

Essa semana eu tava afim de assistir uma série diferente das que eu assistindo regularmente e resolvi ver alguma nova do Netflix. Optei por “Santa Clarita Diet”.

Santa Clarita Diet é uma série produzida pelo Netflix que estreou no dia 03 de fevereiro, tendo como produtores (e integrando o elenco) Drew Barrymore e Timothy Olyphant.

A série conta a historia do casal de corretores de imóveis Sheila (Drew) e Joel (Timothy), que tem uma vida rotineira com sua filha adolescente Abby. Certo dia, enquanto apresenta uma casa, Sheila passa muito mal e descobre estar morta viva, é então que a vida dessa família e seus vizinhos vira de cabeça pra baixo.
A série conta com 10 episódios.

Santa_Clarita_Diet_logo

 

ATENÇÃO: Esse review contem revelações sobre o enredo (ou seja, sobre a historia) da série. Nada que estrague a série, mas é sempre bom avisar quando vamos entrar em detalhes.

No principio, vou ser sincera, não gostei da série. Assisti ao primeiro episódio e achei a série ruim, muito ruim… Achei muito exagerada, até meio nojenta. Uma coisa que me incomodou bastante foi achar o humor um pouco forçado, tanto que até enxerguei o Otaviano Costa (aquele apresentador do Vídeo Show) no Timothy Olyphant.
Pensei que era melhor estar assistindo Izombie.
Parei de assistir no primeiro episódio, fui fazer outras coisas e a noite, antes de dormir, estava pensando no que assistir,  foi quando pensei “aaah, quer saber? Vou tentar continuar assistindo pra ver como essa serie vai desenrolar”.
Comecei a ficar “presa” na série, curiosa e envolvida com os personagens. Querendo saber se a Sheila ia encontrar a cura pra deixar de ser zumbi, se realmente queria deixar de ser zumbi, se tinha outra “doença”, se a família toda iria se transformar… A série realmente me prendeu e se mostrou uma boa série de humor. Por ser “ridícula”, Santa Clarita Diet se torna imprevisível e realmente pode acontecer de tudo, então vale a pena dar uma chance. A principio você pode não gostar, mas se forçar um pouquinho até a metade / final do episódio 02 você realmente não vai largar!

Conclusão: Vale o view. Não é a melhor série que a Netflix já produziu, mas é uma boa série e se você estiver procurando algo divertido, pra entreter, te fazer esquecer os problemas da vida, relaxar e dar umas boas risadas, Santa Clarita Diet é a pedida perfeita!

Já assistiram? O que acharam da série?

Beijos :*

 

Comentários:
0

20 fev 2017

I’m back!

Oi oi!
tudo bem?

Olha eu de novo “devendo” milhões de explicações pra vocês!
Não exatamente devendo, mas acho muito chato quando resolvemos fazer algo que não e só nosso e de repente abandonamos no meio…
Eu comecei um job e acabei ficando muito sem tempo, creio que o termo correto seria desorganizada, desorientada, sem conseguir criar uma rotina ou conciliar coisa alguma, fato este que pretendo mudar.
Além de algumas coisinhas na vida pessoal que saíram dos eixos e me deixou sem chão, mas agora já esta tudo nos eixos novamente e consegui voltar a respirar aliviada, inclusive minha saúde agora vai bem, obrigada.

Sei que pelo caminho acabei deixando de lado o canal, muita gente aparece por lá comentando que sumi, que gostariam de mais vídeos… Recebo ideias de vídeos pela pagina ou ate mesmo por e-mail e pretendo voltar com eles também, então se você tiver alguma ideia, algum pedido de vídeo, me mande aqui nos comentário ou CLIQUE AQUI e me envie lá na pagina (pode ser como mensagem ou comentários em algum post).

Bom, acho que esse post era mais para dizer isso mesmo…

Também queria dizer que consegui, finalmente, sair da minha resseca literária! Desde que o ano virou eu acabei de ler: O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares, psicose, desventuras em serie 1 e agora estou lendo pequenas grandes mentiras, aquele da serie que vai estrear na HBO, estou com meta de terminar, no mais tardar, na segunda feira.

Por hora e isso e estou me organizando pra não sumir.
Se quiser me acompanhar nessa vida louca, me ajudar a escolher os próximos cosplays, ver minhas partidas de jogos aleatórios e nada programados, segue meus links:

Pagina
Stream no twitch
Canal
Pagina “alternativa”
Instagram @mahschafer

Comentários:
0

31 ago 2016

Review – Café Society

Café Society é um filme que fala de escolhas e contrastes sociais.
Bobby (Jesse Eisenberg) é de uma família judaica, porém nada tradicional, que vive em New York.
O jovem resolve ir atrás de novas oportunidades e troca o trabalho com seu pai em uma joalheria por Hollywood, onde pretende ter uma oportunidade de trabalho junto a seu tio, Phil (Steve Carell), irmão de sua mãe.
Quando Bobby chega a Los Angeles ele dá de cara com um mundo oposto a tudo que ele já viveu e fica totalmente fascinado por este mundo que por fora é puro glamour e perfeição, mas não leva muito tempo para o enxergar por dentro e perceber o quão vazio e sem cor pode ser.
Logo de cara Bobby começa a encontrar algum sentido em tudo quando conhece a bela e charmosa assistente de seu tio, Vonnie (Kristen Stewart), uma garota nada deslumbrada, simples e inteligente que faz um total contraste no meio em vive. Porem Bobby descobre que ela já está envolvida com outro homem. Não sabendo como lidar com a rejeição pela qual está passando e não enxergando mais sentido em ficar em Hollywood, resolve voltar para New York.
Bobby vai trabalhar com seu irmão, dono de um charmoso bar local frequentado pela socialite Nova Yorkina, pessoas a qual ele aprendeu a conquistar e lidar em seu tempo em Los Angeles, fazendo de seu trabalho um sucesso.
Logo de cara Bobby conhece Veronica (Blake Lively). Quando tudo parece bem Vonnie aparece inesperadamente a New York.

Nada muito impressionante na atuação de Jesse e Kristen, que forem eles mesmos no filmes: Jesse é o cara atrapalhado e falando e Stewart a garota pés no chão, fria e um pouco sem expressão.
Blake Lively está fantástica, caiu como uma luva para seu papel neste filme do Woody Allen, assim como Scarlett era perfeita em filmes do gênero, porem depois que a Scarlett começou a se envolver em produções como as da Marvel eu não a imagino em um cinema “mais sério” novamente.

cafe

O filme acompanha os encontros e desencontros de triângulos amorosos (tema presente em quase todos os filmes do diretor) em que segurança, alta improbabilidade, razão, entusiasmo e amor pesam nas decisões do coração que irão afetar o futuro.
Relações sendo postas a prova, pessoas se apaixonando, escolhas, recomeços e idas e vindas que se sucedem em realidades e lugares distintos, porém próximos e sempre se cruzando.

É um filme simples, seu roteiro que se desenvolve sem arestas, com alguns diálogos filosóficos, porem de fácil entendimento como a construção de uma nova vida e sucesso sempre nos encurralam para alguma difícil decisão e consequentemente nos levam a alguma perda e logo em seguida nos remete a incerteza de que a decisão tomada fora realmente a decisão correta, mas nunca iremos ter certeza. Os dessabores da vida, doces amores, sonhos e lembranças sempre estarão guardados em algum lugar e são esses que seguem Bobby e Vonnie por todo o roteiro.
Esses elementos o tornam um filme muito agradável de se ver.

635999601768687201

O roteiro secundário, assim podemos chamar, é a família de Bobby, que traz à drama um tom humor afiado que consegue marcar a diferença do glamour de Hollywood para a vida de uma família simples do subúrbio de New York, que no geral, funcionou bem.

Café Society não é uma das melhores obras do diretor (em minha opinião, a melhor de todas é Match Point), porem agradável de se ver juntamente com a belíssima fotografia de Vittorio Storaro.

Não é um filme para se rever várias vezes, é um filme de Woody Allen (um Woody Allen menor, mas ainda assim Woody Allen), o que o torna quase que obrigatório. Ele traz elementos essenciais da filmografia de Allen: a família confusa e engraçada, agito, narração em off, romances improváveis e mágicos.

Não é um dos melhores filmes, mas é um bom filme.

Beijos e até mais :*

Comentários:
1

28 jul 2016

Batman – A piada mortal.

Oie pessoal, tudo bem?

A resenha de hoje fica por conta de uma amiga muito parça da minha vida, a Natasha, que no dia 25 de julho foi assistir “Batman – A piada mortal” no cinema.
Muito obrigada pelo colab Nat 💖

Vamos ao review:

piada-mortal_y8cqE4G

ATENÇÃO: esta resenha contém spoilers (revelações sobre o enredo) do filme e da HQ homônima Batman – A Piada Mortal.

Longe de ser uma crítica de cinema, mas sim uma ávida consumidora de quadrinhos, a notícia do adaptação em animação de uma das minhas obras favoritas do morcegão me deixou extremamente animada. Junto com a notícia, seguiu-se toda uma hype que a obra de Alan Moore merece: o filme seria exibido por duas noites nos EUA, e não demorou para que confirmassem uma noite para alguns cinemas no Brasil. Os ingressos esgotaram em poucas horas, mesmo com toda a antecedência das vendas. Eu mesma só consegui para a sessão extra aberta para o mesmo dia, 25 de Julho. Infelizmente já sabíamos que a introdução especial do Mark Hamill, que dubla o Coringa, e um behind the scenes não viria para o Brasil para os cinemas, somente para o Blu-Ray e DVD.

Sinopse: O Coringa escapou mais uma vez do Asilo Arkham. Em meio a flashbacks da origem do arqui-inimigo do homem morcego, ele executa um plano insano cujo objetivo é provar um ponto: todos estamos a um dia ruim da loucura. E ele usará uma tragédia familiar contra o comissário Gordon para leva-lo à insanidade.

Apesar dos spoilers que surgiram alguns dias antes da estreia, o visual era empolgante. Muita similaridade com o traço da HQ e a postura do Batman da série animada.

O filme não trouxe somente o conteúdo da HQ homônima, mas também um prelúdio de Barbar Gordon em seus dias como Batgirl e o motivo que a levou a abandonar o manto de heroína de Gotham. Prelúdio pelo qual eu agradeceria, não fosse o relacionamento sexual forçado ao espectador – e solto em relação ao restante da história – entre Babara e Bruce. Aparentemente a tragédia que envolveria a personagem mais tarde, não teria o mesmo peso para o Batman se ele não tivesse dado uma voltinha na Batgirl. Desnecessário, como em qualquer ocasião que outros autores tentaram forçar um relacionamento que poderia – e deveria – ser puramente fraternal como foi com Batman e todos os Robins, em algo sexual. Diminui a importância da personagem e a objetifica desnecessariamente. A Babs é linda sim, mas também é badass e apenas não precisa disso. Não shipem, crianças. Eu duvido que o comissário Gordon aprovaria.

Após o prelúdio, o roterio segue quase que cada vírgula da HQ. A fuga do Coringa do Arkham. Sua história de origem como comediante fracassado que perde a família e aceita participar de um assalto assumindo a identidade do Capuz Vermelho, o que leva a um acidente na fábrica química em que ele trabalhou no passado, indiretamente causado pelo Batman que o tornou o palhaço do crime. Segue-se o tiroteio e paralisia da Barbara, o sequestro do Gordon e a porradaria com o Batman. Tudo muito que bem, realmente louvável, não fosse a cagadinha no prelúdio.

Eeee teve cena extra. Tipo um epílogo com uma olhadinha na Babs como Oráculo, ISSO SIM FOI FANSERVICE.

No geral uma adaptação boa, muito boa. Mas ainda estamos de olho nessa desnecessidade de fazer a heroína de alívio sexual. Leave Babs alone.

natasha

Comentários:
3